Revistas:




Como não pagar mico na hora H

Publicado por Giovanna de Souza Kiill em 07/03/2013 às 19h00

Você está bem na hora H com aquele gato, de repente, sente uma baita cãibra na perna ou dá uma crise de riso que acaba com qualquer clima. Veja como se sair dessas e de outros micos constrangedores sem neuras!

 

Revista 7dias com você, edição 509 / Foto: divulgação / Adaptação: Giovanna Kiill 


micos no sexo

Encare os micos com bom humor, desencane! 

Foto: divulgação

 

 

A pegação está rolando solta, você e o gato estão na maior sintonia e cheios de vontade. Nada pode estragar o clima, certo? Errado!

 

Entre quatro paredes, inúmeras são as situações que podem arruiná-lo e fazer com que ambos queiram se esconder em um buraco e não sair dele nunca mais! “Justamente por ser um momento de intimidade, é necessário ter muito jogo de cintura para se sair bem de certos ‘micos’, ou seja, buscar alternativas para não perder o tesão e continuar a relação sexual sem neuras”, afirma o sexólogo Ricardo Desidério (PR). Portanto, se ligue nas alternativas sugeridas pelos especialistas para que sua noite seja lembrada pelos momentos de prazer – e não pelo vexame.

 

 

Xi, deu cãibra

 

Entre uma acrobacia e outra, você sente o músculo da perna dando aquela puxada dolorosa e não sabe se interrompe tudo na mesma hora – e manda todo o clima da transa pro espaço – ou aguenta firme em prol de um orgasmo incrível.

 

O QUE FAZER: vai depender da dor. “Se der pra suportar, continue e tente se movimentar de forma com que o membro dolorido não repuxe tanto”, indica Ricardo. “Agora, se estiver difícil aguentar, abra o jogo e diga que precisa de uns minutinhos para se alongar”, recomenda Carla Cecarello, sexóloga e coordenadora do projeto Ambulatório de Sexualidade, de São Paulo.

 

Rindo à toa

 

Seja entre casais que têm muita intimidade ou até mesmo durante um sexo casual, crises de riso são bastante comuns. Pode ser uma expressão totalmente fora do contexto, um gemido estranho, caras e bocas performáticas... A questão é que, nessas horas, parece impossível parar de dar risada.

 

O QUE FAZER: Tente fazer com que o cara não se sinta ofendido diante da sua reação. “Deixe claro que o motivo da risada não é ele, e sim alguma atitude que ele fez e que lhe provocou o riso", recomenda Carla. “Sugira, sutilmente, que vocês continuem o sexo de uma forma que exclua o motivo causador da risada”, diz. O mais importante é manter o clima leve e descontraído.

 

Ops, escapou...

 

Diferente dos chamados flatos vaginais – aquele barulhinho semelhante ao pum, que todas as mulheres estão propensas a soltar de vez em quando, devido à entrada de ar na vagina ao longo da penetração –, às vezes os gases de verdade chegam em horas inesperadas, inclusive quando você está no maior rala-e-rola com o cara. “É supernatural, por conta da intensidade dos movimentos e da flexibilidade do corpo”, explica Ricardo.

 

O QUE FAZER: de acordo com a sexóloga Carla Cecarello, fingir que nada aconteceu não é uma boa escolha. Afinal, se ele não escutou o barulho, pode ter sentido um odor desagradável. “Tal atitude tende a assustar o parceiro, que pode supor que você julgue normal soltar um pum durante a transa", diz. “Logo, por mais constrangedora que seja a situação, explicar que não conseguiu se segurar é mais elegante do que manter-se em silêncio”, orienta Carla.

 

 

Você é viciada em sexo?


Leia Também
Sexo casual, você toparia?
Conheça os lançamentos da Erótika Fair 2014
Erotika Fair 2014: Empresa lança cosméticos temáticos para a Copa do M...
Comente!


Mais Lidas